segunda-feira, 19 de maio de 2008

Só a metade

Que o medo da solidão se afaste e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável; que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso que eu me lembro ter dado na infância, por que metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade eu não sei.*

A leitura de um post no More Than Words me motivou a vir aqui sacudir a poeira. Então eu vim, mesmo sem a mínima inspiração, apesar de estar explodindo de vontade de escrever. Afinal, quando você passa meses só escrevendo resumos de matérias, analisando textos de História e Geografia, fazendo milhares de exercícios de Física, Genética e Matemática, tendo que desistir de ler um livro por falta de tempo, dá muita vontade de escrever. Então cá estou eu.
No último post, num dos mini-textos, cheguei a mencionar o assunto que vou abordar. Foi quando falei sobre a agenda antiga que achei. Comentei sobre os amigos com quem não falava há tempos. Bom, há umas semanas, eu entrei em contato com um deles, a Tali, que é justamente a dona do MTW. Ela não estava mais no meu orkut, não sei porque. O que importa é que a gente voltou a conversar, e tudo que a gente viveu voltou à tona. Sei que algumas pessoas não acreditam em amizade virtual. Bom, não acreditam porque nunca viveram. Eu costumo pensar que a amizade virtual é, muitas vezes, mais sincera que a "real", porque não tem motivos para haver interesse entre as pessoas. Afinal, o que diabos eu posso oferecer a uma pessoa do outro lado do Brasil, a não ser companhia? É também uma alternativa às pessoa que têm dificuldades em lidar com outras. É complicado conviver com as pessoas, e a interação pela internet é mais fácil. E muitas pessoas dizem que é um absurdo isso, que não devemos nos fazer valer disso pra melhorar nossas relações sociais. Certo. Eu gostaria de saber o que essa pessoa acha, por exemplo, dos adolescentes que enchem a cara pra se enturmar, chamar atenção e serem populares. Eu acho bem pior que fazer amigos pela internet.
Eu fiz grandes amizades pelo computador. Vivi momentos maravilhosos da minha vida na frente da tela. Minha melhor amiga, eu nunca vi pessoalmente. Mas isso não muda o fato de sermos companheiras, nos completarmos e nos sentirmos bem uma com a outra. Quando entrei no blog da Tali e vi que ela tinha postado mil e uma coisas desde a última vez que tinha entrado, li todos os textos. Foi então que achei o "flores e estrelas", onde ela falava justamente sobre os tempos do chat e as cartas que trocávamos entre nós. Em dado momento, ela diz: "E foi aí que veio na minha cabeça ... Caramba ... Lari, são seis anos, hein?". Sim, seis anos que a gente se conhece. E é uma pena que não tenhamos estado em contato durante todos esses seis anos.
Então, para todos os meus ex-companheiros do chat Harry Potter do Terra, um abraço enorme, vocês sempre, sempre, sempre estarão no meu coração, mesmo que não no meu orkut, nem no msn.
Tudo o que eu mais queria era voltar a ter o que eu tinha naquela época. Voltar a ter tantos amigos, e voltar a não ter que fazer tanta coisa! Não recomendo o pré-vestibular. É estressante, é cansativo, é insuportável. Um conselho: volte aos seus 12 anos. E me conte como.


*Metade, Oswaldo Montenegro.

Um comentário:

Thássi Deorce . disse...

AimeuDeusqueliindo . *-*
Bixo, saudade é realmente uma coisa muuito grande !
Se descobrir como voltar aos 12, me conta também . Assim eu nunca teria ficado algum tempo sem PC e sumido do chat, perdido contato ou parado de mandar cartas pros antigos . ;O