sábado, 21 de março de 2009

Da sutilidade


Eu só estranhava quando te via nua
e preferia de vestido bordô

Oswaldo Montenegro - Taxímetro


Mais de uma vez na vida, a sugestão parece bem mais atraente que a exibição. Esta por vezes parece vulgar, baixa, explícita demais. A sutilidade de simplesmente sugerir encanta, inspira, instiga, excita. Um olhar pode ser mais erótico que a nudez. O poder do suspense é fabuloso: não dizer prende mais do que dizer. As atitudes não tomadas chegam a ser mais emocionantes do que as concretizadas: o não-fazer é melhor do que fazer, remoer como fazer algo é muito mais agradável do que de fato fazê-lo. A bebida nunca tomada é sempre mais saborosa, o lugar nunca visitado é sempre mais bonito, a pessoa nunca tocada é sempre mais atraente. O nunca realizado é constantemente mais excitante do que o concreto.

2 comentários:

dudadaibert disse...

Eu sempre digo que é muito mais legal planejar: a conquista, a vingança, a resposta, o olhar, a fala.
Perde a graça quando a gente: conquista, se vinga, responde, olha e fala.

A preparação para o ato é mais excitante que o ato em si. Fato.

Pamella B. disse...

É, com certeza a expectativa é sempre a melhor parte da situação. O frio na barriga, aquela sensação do "será?", é sempre lindo :)